9o ENCONTRO USP ESCOLA

Data do Evento: 
12/01/2015 - 07:00

(VAGAS ESGOTADAS)

INSCRIÇÕES ENCERRADAS. VIDE LISTA DEFINITIVA EM http://portal.if.usp.br/extensao/node/375

O CURSO DO MAC IBIRAPUERA ( 1.6. ARTE EM JOGO:  MUSEU E ESCOLA)  começará às 9h, no Prédio do antigo Detran. Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301 . Somente entrarão os integrantes da lista. 

O curso 1.12. (CIÊNCIAS DA SAÚDE) COMO CRIAR ESPAÇOS CULTURAIS EM SAÚDE  será na FMUSP conforme comunicado pelo ministrante aos inscritos priorizados.

Os demais cursos terão abertura no Instituto de Física às 7h30 do dia 12 de janeiro e durarão a semana toda, das 8 às 17h30, com atividades extras à noite, conforme programação.

 

ALIMENTAÇÃO E HOSPEDAGEM (VIA SORTEIO) POR CONTA DO PARTICIPANTE. 

INSCRIÇÃO PARA OS CURSOS - clique aqui

Cursos gratuitos (vide descrições abaixo):

1.1. (GERAL) TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM AMBIENTES EDUCACIONAIS 
Ministrante: Prof. Ewout Ter Haar (IFUSP)
1.2. (HISTÓRIA) AS COISAS QUE NOS CERCAM – COMO CONHECER A SOCIEDADE POR MEIO DA CULTURA MATERIAL
Ministrantes: Profas. Vânia Carneiro de Carvalho e Denise Peixoto Abeleira, do Museu Paulista (as aulas serão ministradas no IFUSP)
1.3. (ASTRONOMIA) EXPERIMENTOS DE ASTRONOMIA
Ministrante: Grupo Sputinik
1.4. INTRODUÇÃO À FÍSICA DE PARTÍCULAS 
Ministrante: Prof. Helio Takai e Maria Clara Santarelli (IFUSP)
1.5. (QUÍMICA) FUNDAMENTOS DA TERMODINÂMICA APLICADOS À QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO - CURSO NO INST QUÍMICA
Ministrante: Dra. Silvia Agostinho (IQUSP)
1.6. ARTE EM JOGO:  MUSEU E ESCOLA - CURSO NO MAC IBIRAPUERA
Ministrante: Dra. Maria Angela Serria Francoio (MAC Ibirapuera)
1.7. EXPERIMENTOS DE FÍSICA
Ministrante: Dr. Claudio Furukawa (IFUSP)
1.8. ENSINO PARTICIPATIVO E METACOGNIÇÃO NO ENSINO BÁSICO DE FÍSICA
Ministrante: Profa. Vera Henriques (IFUSP)
1.9. (COMUNICAÇÃO E MÍDIA) EDUCAÇÃO MIDIÁTICA E PRÁTICAS EDUCOMUNICATIVAS
Ministrante: Prof. Claudemir Viana (ECA) - Local a definir
1.10. (HISTÓRIA DA CIÊNCIA) DISCUTINDO A NATUREZA DA CIÊNCIA EM EPISÓDIOS HISTÓRICOS
Ministrante: Prof. Ivã Gurgel (IFUSP)
1.11. (LIBRAS) CIÊNCIAS (QUÍMICA, FÍSICA, BIOLOGIA e MATEMÁTICA) COM SURDOS: EM BUSCA DE PROPOSTAS PARA UM ENSINO BILÍNGUE 
Ministrante: Profs. Edna Mattos, Jucivagno Cambuhy Silva e outros
1.12. (CIÊNCIAS DA SAÚDE) COMO CRIAR ESPAÇOS CULTURAIS EM SAÚDE E APRENDIZAGEM ATIVA DOS ESTUDANTES - CURSO NA FMUSP
Ministrante: Prof. Chao Lung Wen (FMUSP)
1.13 (QUÍMICA) QUÍMICA ORGÂNICA: REFLEXÕES E PROPOSTAS PARA O SEU ENSINO
Ministrante: Dra. Luciane Akahoshi (IQUSP)
-------------------------------------------------------------------------------------
1.1. (GERAL) TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EM AMBIENTES EDUCACIONAIS 
Ministrante: Prof. Ewout Ter Haar (IFUSP)

Cada vez mais a tecnologia da rede se instalou em nossas vidas e também, quase naturalmente, nos nossos ambientes educacionais. Desta ubiquidade decorre uma demanda por problematização e um anseio de discutir boas práticas no uso de TICs em ambientes educacionais. Este curso terá uma abordagem mista, com atividades práticas e oficinas por um lado e a discussão dos problemas teóricas por outro lado.

Objetivos:

Apresentar aos participantes ferramentas e conceitos na área de Tecnologia Educacional, com ênfase na Tecnologia da "Web Moderna"; apresentar o uso de ambientes “virtuais” de aprendizagem (AVA); apresentar os princípios e prática da tecnologia moderna de gerenciamento de informação e conhecimento, no contexto de ambientes educacionais; usar ferramentas colaborativas em rede e estudar as suas aplicações no Ensino; prover as ferramentas analíticas necessárias para tomar decisões técnicas e de política na área de tecnologia de informação e comunicação no contexto de instituições educativas.

Público Alvo:

Educadores atuando em ambientes educacionais escolar e não-escolar .

Conteúdo e metodologia de desenvolvimento do curso:

·         Ferramentas colaborativas mediado por internet e seu uso com fins educativos; Ambientes Virtuais de Aprendizagem; Objetos de Aprendizagem; Recursos Educacionais Abertas; Mídia Social e Redes Sociais na Educação.

·         Algumas apresentações curtas, seguido por atividade práticas abordando os conceitos tratados. Terá pelo menos um dia de um “Oficina Moodle” (o AVA mais usado no Brasil), podendo ser estendido se houver demanda.

 

1.2. (HISTÓRIA) AS COISAS QUE NOS CERCAM – COMO CONHECER A SOCIEDADE POR MEIO DA CULTURA MATERIAL
Ministrantes: Profas. Vânia Carneiro de Carvalho e Denise Peixoto Abeleira, do Museu Paulista (as aulas serão ministradas no IFUSP)
 
O curso pretende apresentar conteúdos da disciplina de História relacionada ao campo da cultura material. Serão abordadas definições e conceitos-chave da área e estratégias de análise de fontes tridimensionais e iconográficas. A materialidade é uma questão candente nas ciências humanas e o curso oferece uma oportunidade para levar aos professores do ensino médio modos de lidar com objetos e imagens que estão muito próximos de nosso cotidiano ao mesmo tempo em que são marginalizados pelas análises historiográficas e, por conseqüências, pelos livros didáticos. Seu objetivo é o de oferecer aos professores os conceitos básicos na área de cultura material, suas principais linhas de abordagem e estudos de caso que possam servir de roteiro para o desenvolvimento do tema em sala de aula.
O curso é dividido em módulos em que são apresentadas as principais abordagens de objetos e imagens na perspectiva dos estudos de cultura material. Todos os módulos contarão com uma introdução das questões teóricas e metodológicas e sua exemplificação através de estudos de caso.

 

Módulo 1- Introdução geral

Introduzindo as definições e circunscrevendo as questões importantes. Os estudos de cultura material e a sala de aula: é uma combinação possível? O que é cultura material? O cachimbo de Magritte. Materialidade ou representação? Qual a diferença entre cultura material e fontes materiais? O papel do Museu de História na pesquisa da cultura material.

Módulo 2 - O objeto como suporte de sentido

Os objetos são uma linguagem? A roupa e os sentidos de distinção social. O telefone candelabro e os sentidos do humano. As imagens produzidas por Rugendas e a construção dos sentidos.

Módulo 3 – O objeto como agente social

Os objetos têm poder de ação? A chave berlinense e a estabilização das relações sociais. Os objetos tecnológicos e as mudanças no trabalho doméstico. Robert Capa e o espanhol abatido na guerra civil espanhola. A ação da fotografia. A Vênus de Velásquez e a Vênus Chicoteada de Mary Richardson. A rede de ações.

Módulo 6- O objeto como identidade

É possível unir representação e ação? Decoração corporal e doméstica na formação das identidades de gênero. Conforto, gênero e etiqueta no uso do mobiliário doméstico. O espartilho e o ingresso da mulher na modernidade. 

Módulo 8 – O objeto como coleção

Você coleciona? Por que se coleciona? O que podemos aprender com as coleções? 

Módulo 9 – O objeto como peça de museu

Museus colecionam? Para que servem os Museus no mundo contemporâneo? Pesquisa e curadoria (Poses, Animatoscópio, Morar e Imagens Recriam) 

Avaliação

 
1.3. (ASTRONOMIA) EXPERIMENTOS DE ASTRONOMIA
Ministrante: Grupo Sputinik

Objetivos:

Auxiliar o educador em sua prática em sala de aula na abordagem de conteúdos astronomia. Ofereceremos subsídios e ferramentas para os educadores trabalharem os diversos temas de astronomia oferecidos em livros didáticos, propostas e parâmetros curriculares.

Possibilitar uma visão mais profunda dos temas de Astronomia, percorrendo os caminhos de sua história e construção além do estudo de alguns dos fenômenos, nos valendo essêncialmente de atividades práticas.

Público Alvo:

Professores de Ciências do Ensino Fundamental e de Física do Ensino Médio.

Conteúdo e metodologia de desenvolvimento do curso:

Temas propostos

Grupo 1

Observação do Céu; História da Astronomia

Grupo 2

Estrelas/Evolução Estelar; O Sol; Sistema Solar

Grupo 2,5

Astrobiologia; Diversidade

Grupo 3

Galáxias; Cosmologia

 

Atividades propostas

Grupo 1

Stellarium; Observação aberta;

Grupo 2

Crateras da Lua; Sistema Sol-Terra-Lua; Sistema solar em escala; Cores das Estrelas; Relógio de Sol, Constante Solar

Grupo 2,5

Atividade: Seres do Universo

Grupo 3

Idade do Universo; BBB

 

 
 
1.4. INTRODUÇÃO À FÍSICA DE PARTÍCULAS 
Ministrante: Prof. Helio Takai e Maria Clara Santarelli (IFUSP)
 

O curso tem por objetivo fazer uma discussão, revisão e aprofundamento com os professores sobre física de partículas, bem como metodologias de ensino para introduzir este assunto no ensino médio. 

·        Dia 1 - O primeiro dia será dedicado à revisão de conceitos básicos como energia, momento e força. Como definições clássicas são também utilizadas no universo microscópico. Utilizaremos um pequeno instrumento programável (Arduíno) para entender o conceito de transferência de momento e força.  Apresentações, formalidades etc.; ·        Discussão sobre o objetivo do curso; ·        Atividade quebra-gelo: Formar grupos, e desenhe o que você imagine seja um núcleo atômico; ·        Conceitos de momento, energia, colisões - O que é força? Transferência de momento?; ·        Colisões com pucks e análise de imagens com ImageJ: Utilizar lilypad arduíno para tirar fotos. Atividade de grupo.

·        Dia 2 - O foco do segundo dia é em fenômenos ondulatórios. Para tal iremos medir a constante de Planck que utilizando LEDs e seguido de exercícios de espectroscopia utilizando um espectrômetro de fibra ótica. ·        Física moderna: Constante de Planck, entender o que é E = hv ·        Medir constante de Planck utilizando LEDs ·        Espectroscopia utilizando espectrômetro de fibra ótica ·        Exercício de espectroscopia 

·        Dia 3 - Utilizando uma câmara de nuvens iremos detectar partículas presentes em chuveiros de raios cósmicos. Visualizaremos partículas e no fim construiremos camaras de nuvens de baixo custo. ·        Conhecendo câmara de nuvens, o que é e para que serve; ·        Introdução a Física de Partículas; ·        Trajetória de Partículas; ·        Diferentes Detectores no LHC; ·        Construção de câmara de nuvens de baixo custo. 

·        Dia 4 -  Analisaremos imagens produzidas pelo espalhamento Compton em câmaras de nuvens. Após a análise discutiremos os resultados e iremos discutir a física de partículas. Como todo o nosso conhecimento sobre a física de partículas é resumida por um modelo que chamamos de modelo padrão. Para solidificar o conhecimento, jogos didáticos serão introduzidos. ·        Análise de Espalhamento Compton; ·        Introdução ao Modelo Padrão; ·        Apresentação do Poster; ·        Jogos de carta, tabuleiro e dados. 

·        Dia 5 -  No último dia da oficina faremos uma visita Virtual ao detector ATLAS no CERN, seguido de análise dos dados do mesmo experimento. Faremos uma discussão dos resultados e uma avaliação da oficina.·        Visita Virtual do ATLAS; ·        Analisando dados do ATLAS; ·        Discussão dos dados do ATLAS. 

1.5. (QUÍMICA) FUNDAMENTOS DA TERMODINÂMICA APLICADOS À QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO - CURSO NO INST QUÍMICA
Ministrante: Dra. Silvia Agostinho (IQUSP)
 

O curso tem por objetivo rever a Termodinâmica Clássica apresentada no curso de Licenciatura em Química, estabelecendo uma relação mais clara entre as ferramentas matemáticas e a sua aplicabilidade na resolução de problemas e na interpretação de experimentos. 

·        Conteúdo: Conceitos fundamentais da Termodinâmica: sistema, meio, fronteira; processos reversíveis e irreversíveis; propriedades de estado e propriedades que não são de estado; diferenciais exatas e não exatas; processos isométricos, isobáricos, isotérmicos e adiabáticos. Primeira Lei e suas aplicações a diferentes processos. Termoquímica:  entalpia  e calores de reação; determinações experimentais. Segunda Lei da Termodinãmica. Entropia e energia livre. Equilíbrios entre fases de um só componente. Potencial químico. Equilíbrios químicos homogêneos e heterogêneos. Experimentos. Soluções e solubilidade. Sistemas ideais e reais. Conceito de atividade. Experimentos. Equilíbrios de oxidação-redução.. Células galvânicas. Conceito de força eletromotriz. Experimentos. Aplicações da Termodinâmica à Química Ambiental e à Bioquímica. 

·        Metodologia: O curso terá como atividades: aulas expositivas, listas de exercícios, laboratório, leitura de textos e discussão dialogada.

 

1.6. ARTE EM JOGO:  MUSEU E ESCOLA - CURSO NO MAC IBIRAPUERA
Ministrante: Dra. Maria Angela Serria Francoio (MAC Ibirapuera)

O curso pretende abordar questões da arte moderna e contemporânea por meio das obras expostas. O curso utilizará também recursos didáticos – pôsteres de obras do acervo e fichas didáticas, paralelamente a jogos e outras dinâmicas lúdicas e interativas. Os pôsteres poderão ser emprestados pelos professores e usados em sala de aula durante o segundo semestre letivo do ano de 2014, como desdobramentos do curso e incentivo às visitas das escolas ao museu. Os encontros visam, assim, à formação e atualização em arte de professores e à apresentação e exploração do material didático, tendo em vista as competências e atribuições da educação e o papel de irradiador de cultura do museu. Desse modo, a relevância do curso é criar experiências – observação, reflexão, diálogo - com as artes visuais (aspectos formais, propostas conceituais, períodos históricos, gêneros artísticos); desencadear e fortalecer relações de parceria entre o MAC e instituições de ensino; divulgar e democratizar o acesso a esse acervo cultural e público. Os fundamentos teóricos e práticos serão aqueles dos programas educativos MEL- Museu: Educação Lúdica e Acervo: Roteiros de Visita em desenvolvimento na Divisão de Educação e Arte do MAC USP sob a responsabilidade da educadora Maria Angela.

A relevância do curso é a melhoria da formação e atualização em artes visuais de professores tendo em vista o acervo público de arte do MAC USP. Os participantes vivenciarão a arte contemporânea e moderna no Museu. Essa vivencia, a partir de abordagens diversificadas, tem como foco a aproximação com as questões específicas da arte e as demandas atuais da escola básica, do ensino da arte e áreas afins. A partir das poéticas dos artistas as questões das sociedades contemporâneas podem ser discutidas e sob diversos pontos de vistas, favorecendo a elaboração de um pensamento crítico, flexível, inclusivo e afetuoso. Cada vez mais se fala da intima relação entre arte e vida. Os professores estimulados poderão instigar seus alunos a conhecer espaços culturais e públicos da cidade de São Paulo e, além disso, estender esse convite à comunidade de pais e responsáveis. Um Museu público de arte e uma rede pública de ensino são instituições essencialmente parceiras no propósito educacional de oferecer oportunidades para o exercício do diálogo crítico e transformador.

 

1.7. EXPERIMENTOS DE FÍSICA
Ministrante: Dr. Claudio Furukawa (IFUSP)
 
O curso tem por objetivo dar subsídios e apoio aos participantes para o uso de experimentos em sala de aula, tanto para demonstrações como para o manuseio pelos alunos. 

·        Conteúdo: Mecânica (cinemática, dinâmica e estática), hidrostática, ótica, termodinâmica, eletricidade e eletromagnetismo.

·        Metodologia: Aulas teóricas iniciais e aulas práticas e oficinas.

 
1.8. ENSINO PARTICIPATIVO E METACOGNIÇÃO NO ENSINO BÁSICO DE FÍSICA
Ministrante: Profa. Vera Henriques (IFUSP)
 
A popularização da Internet e das novas tecnologias de comunicação tem causado impactos profundos sobre diferentes aspectos da vida diária de todos nós, mas muito especialmente sobre o ensino, já que, em um mundo no qual as informações estão na palma da mão de qualquer estudante, os professores se veem desafiados na sua função de detentores do conhecimento. Por outro lado, o desenvolvimento acelerado das ciências cognitivas, do estudo da mente e do cérebro, e dos processos envolvidos no pensamento e na aprendizagem, incluindo a atividade neural que os acompanha, ganhou impulso revolucionário com as novas tecnologias de imagem e de processamento de dados. O avanço da teoria cognitiva levou, nos últimos anos, à proposta de aplicar esse conhecimento à educação, tanto no desenho de currículos, como na forma de ensinar. Combinando pesquisas em psicologia, cognição, educação e neurociências, vem surgindo uma nova teoria do “ensinar” que preconiza uma prática muito diferente da que foi utilizada nos últimos séculos, baseada na exposição da teoria e na resolução de problemas, e que é a prática na qual a grande maioria dos professores é formada.

As ideias sobre ensino participativo com base na pesquisa em ciências cognitivas estão reunidas no texto, encomendado pelo Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos, “Como as pessoas aprendem: Cérebro, Mente, Experiência e Escola” (Bransford et al, 2007), sobre a melhor maneira de levar o conhecimento construído no campo das ciências cognitivas para a prática de sala de aula. Segundo esta grande revisão de estudos sobre o “ensinar e aprender”, provenientes de diferentes áreas específicas de conhecimento, foram sugeridos três princípios do aprendizado: a necessidade de levar em conta o conhecimento que o estudante traz para a sala de aula; a necessidade de construir um quadro de conceitos e fenômenos inter-relacionados; e a metacognição, ou a consciência sobre o próprio processo individual de aprendizado, por parte do estudante.

Neste curso, será oferecida aos professores a oportunidade de praticar e refletir sobre o ensino participativo, a partir de atividades desenhadas com este intuito e voltadas para temas da Física Básica.

 
1.9. (COMUNICAÇÃO E MÍDIA) EDUCAÇÃO MIDIÁTICA E PRÁTICAS EDUCOMUNICATIVAS
Ministrante: Prof. Claudemir Viana (ECA) - Local a definir

O curso proposto explora diversas abordagens quanto às interfaces entre dois campos do conhecimento - a educação e a comunicação - para dar conta de entender e lidar com o fenômeno sócio cultural representado pela presença das mídias no cotidiano de todos. Por isso, a educomunicação apresenta novas propostas para compreensão destes processos e representa um novo campo do conhecimento interdisciplinar e paradigma para uma educação midiática autoral e cidadã, crítica e comprometida com a transformação social,(SOARES, 2000).
PÚBLICO ALVO: PROFESSORES DE DIFERENTES DISCIPLINAS DOS ANOS FINAIS DO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO.

·       Programa detalhado

1 – Educação midiática nas diversas perspectivas teórico-metodológicas. Educomunicação, Educação Midiática, Media Literacy. O contexto sóciotecnológico contemporâneo e as interfaces entre comunicação e educação. Origens histórico-sócio-culturais da ideia de educomunicação.

2 – Educomunicação transversando o currículo do Ensino Básico. Temas Transversais no currículo: meio ambiente, questões de gênero e raça, cidadania e cultura midiática. Metodologia da Pedagogia de Projetos. Aprender aprendendo  colaborativamente.

3 - Praticas Educomunicativas e currículo escolar. Práticas Educomunicativas: novos paradigmas para a prática cidadã.  Produção midiática nos processos educativos. Linguagens e suportes tecnológicos contemporâneos.

4  – Planejando a transformação pedagógica. Educomunicação e a Pedagogia de Projetos

Metodologia : Apresentação expositiva e dialógica com os participantes com a exploração de recursos midiáticos diversos; Roda de conversa sobre experiências educativas; Simulação de produção midiática para fins educativos; Elaboração em grupo de proposta de projeto de intervenção; Apresentação de pesquisa e debates reflexivos.

 

1.10. (HISTÓRIA DA CIÊNCIA) DISCUTINDO A NATUREZA DA CIÊNCIA EM EPISÓDIOS HISTÓRICOS
Ministrante: Prof. Ivã Gurgel (IFUSP)

É consenso entre pesquisadores da área que uma educação científica plena transcende o mero ensino da ciência, sendo necessário um ensino sobre a ciência, isto é, seus métodos, seu impacto social e cultural, seus limites, entre outros. O uso da História e Filosofia da Ciência é apontado como uma boa abordagem para contemplar esse tipo de necessidade. Uma segunda justificativa resume-se na possibilidade dos professores poderem ampliar o leque de conhecimentos acerca de temas da Ciência moderna, dado o fato de que muitos não tiveram a oportunidade de debatê-los criticamente durante sua formação original. Basicamente o intuito deste curso é instrumentalizar professores com tópicos da Natureza da Ciência por meio do estudo de diferentes episódios históricos e temas filosóficos relacionados tanto à Física Clássica quando à Física Moderna.

·        Parte 1 - A revolução copernicana e a racionalidade da ciência: A partir do conhecido episódio histórico da Revolução Copernicana, entendendo-o como uma “mudança de paradigma” nos termos de Thomas Kuhn, pode-se discutir o papel tanto de fatores racionais como e fatores “não-racionais” que foram centrais para aceitação de um novo candidato a visão de mundo (modelo heliocêntrico). Nesta primeira aula pretende-se discutir então o episódio por uma perspectiva historicista, por meio de textos selecionados, discussões direcionadas e debates, visando mostrar que o “problema da transição” entre teorias resume-se em um processo complexo envolvendo muito mais que fatores racionais e epistêmicos.

·        Parte 2 - A introdução da teoria da relatividade na ciência e o impacto do “não-intuitivo”: O início do século passado foi marcado, dentro da ciência, pelo introdução de duas grandes teorias que desafiaram, mais do que muitas outras anteriores a elas, nossa “visão intuitiva” do mundo. Os impactos filosóficos da Teoria da Relatividade Especial nasceram em parte desse conflito entre o intuitivo e o não-intuitivo. Pretende-se discutir em classe quais são as principais facetas deste conflito, ilustrando por recortes históricos da teoria como elas foram tratados por estudiosos da época. Questões como a “realidade” das contrações e dilatações relativísticas serão debatidas em sala.

·        Parte 3 - As influências sociais sobre o desenvolvimento das teorias cosmológicas: Uma concepção ingênua ainda muito presente dentro e fora dos campos da educação científica é aquela na qual se entende a ciência como um projeto isento de influências sociais, culturais, políticas e outras. Muitos historiadores e filósofos contemporâneos têm mostrado que essa visão é demasiada precária para compreender a origem e desenvolvimento do conhecimento científico. O caso do desenvolvimento das teorias cosmológicas na antiga União Soviética é um exemplo da influência política sobre a ciência. Pretende-se nesta aula debater até que ponto podemos dizer que a ciência é uma construção social bastante ou pouco influenciada por “fatores externos” como ideologia política, militar, religiosa, etc. Ainda nesta aula, pretende-se mostrar uma proposta de aplicação em sala com discussões deste tema por meio de um jogo didático.

·        Parte 4 - A física e química quânticas e a apreensão da realidade: Ainda que as teorias quânticas sejam aquelas que apresentam um sucesso empírico enorme em previsões de fenômenos na escala subatômica, elas não escapam a “problemas” basais de ordem científico-filosófica, como a questão da localidade, do colapso da função onda, a possibilidade de sobreposição de estados macroscópicos, probabilidades negativas, e, principalmente, da realidade dos objetos quânticos. Partindo da discussão sobre a dualidade onda partícula, pretende-se problematizar neste curso, por meio de noções básicas de física quântica, até onde a ciência pode nos dizer como a realidade é ou parece ser. Uma proposta didática a ser debatida é o uso de analogias a serem usadas de modo que facilitem a compreensão desse “estranho mundo quântico”.

·        Parte 5 - Sistematização: Pretende-se retomar as discussões principais das aulas anteriores, procurando sistematizar com os professores as concepções de ciência que surgiram nas exposições e nos debates em sala. Para isso será utilizado um diagrama bidimensional desenvolvido pelos proponentes do curso, de forma a tornar mais visível as diferenças entre as concepções debatidas.

 

 
1.11. (LIBRAS) CIÊNCIAS (QUÍMICA, FÍSICA, BIOLOGIA e MATEMÁTICA) COM SURDOS: EM BUSCA DE PROPOSTAS PARA UM ENSINO BILÍNGUE 
Ministrante: Prof.ª Dr.ª Edna Antonia Mattos Morais Andrade, Prof. Jucivagno Cambuhy Silva, Prof.ª Dr.ª Karina Soledad Maldonado Pagnez, Prof.ª Dr.ª Cassia Geciauskas Sofiato, Prof. Danilo Prado Ramos

O curso pretende aprofundar o entendimento das dimensões de trabalho com alunos surdos, em conteúdos de física, química e biologia e matemática. A insuficiência de acesso aos programas de educação continuada pelos professores na área de conhecimento de exatas, na área de educação especial, somado ao crescente número de alunos incluídos em escolas regulares de ensino, conforme apontam os últimos dados do INEP/MEC (2009-2010) e Secretaria de Educação Especial (SEE) (2009-2011), leva à necessidade de estruturarmos um curso para os professores da rede pública de ensino com um intuito de melhorar a compreensão e acolhimento desses indivíduos na sala de aula. A Lei 10.436/02 e o Decreto 5626/05 garantem às pessoas surdas o pleno acesso ao conhecimento, preparo e o direito a uma educação de qualidade que leve em consideração as necessidades linguísticas deste grupo de alunos. A educação dos surdos tem passado por diversas transformações. Muitos materiais foram e estão sendo produzidos, e realizados muitos trabalhos na área de alfabetização, letramento, história, sociologia e cultura surda, assim como estudos na área de matemática, culminando com a produção de diversos materiais e pesquisas para o ensino de Surdos no Brasil. Entretanto, observa-se menos trabalhos na área de ensino de Física e de outras disciplinas da área de exatas. Esta produção está aquém do patamar para atender às necessidades dos educandos, o que compromete o trabalho pedagógico dos docentes com essa demanda, resultando em dificuldades para os professores lidarem com esse público, o que, consequentemente, acaba por refletir na formação e disponibilidade de profissionais surdos da área das Ciências em geral.

Conteúdo:

·       Os Conceitos de inclusão e exclusão; ·       História da educação de surdos; ·       Legislação: As Lei 10.436/02 e o Decreto Federal 5626/05; ·       Modelos de Educação para Surdos; ·       O papel da Libras na educação de Surdos; ·       A Importância do ensino participativo para surdos; ·       Apresentações de experimentos com o ensino de ciências (Física, Química e Biologia)  e Matemática; ·       Método de avaliação para surdos; ·       Avaliação para surdos: métodos e técnicas; ·       Construção de vocabulários específicos em ambiente escolar; ·       Recursos visuais para o ensino de surdo: seleção e utilização; ·       Apresentações de materiais para surdos pelo CAPE/SP.

 

 
1.12. (CIÊNCIAS DA SAÚDE) COMO CRIAR ESPAÇOS CULTURAIS EM SAÚDE E APRENDIZAGEM ATIVA DOS ESTUDANTES - CURSO NA FMUSP
Ministrante: Prof. Chao (FMUSP)
 
Este curso proporcionará uma familiarização conceitual-prático sobre como utilizar as produções da Disciplina de Telemedicina do Departamento de Patologia da FMUSP (Homem Virtual, estruturas anatômicas produzidas por impressoras 3D e Tablet da Saúde) para criar ambientes interativos para proporcionar o aprendizado vivencial e a organizar grupos de trabalhos temáticos (aprendizado baseado em equipe).  Ao fim do curso, os participantes aprenderão a correlação entre os temas de saúde do curso com os conteúdos de saúde constantes nos livros didáticos e as prioridades do governo na área de saúde e, conhecerão alguns de impressoras 3D, e terão a experiência de produção de uma estrutura anatômica usando impressora 3D de baixo custo (disponível em supermercados).
 

Os conteudos programáticos são compostos por parte presencial e parte à distância com uso de vídeos da série Geração Saúde – TV Escola / MEC (1 e 2) e Homem Virtual e são: Saúde Oral; Sexualidade e métodos contraceptivos, Doenças Sexualmente Transmissíveis; Saúde nutricional; Drogas, Álcool e Fumo, Vida Saudável com o Sol, Audição, Visão, Coluna e Hanseniase, totalizando 30 assuntos. Os encontros presencias terão propósitos de oferecer orientações gerais, formação de equipe de trabalho, realização de discussões temáticas, visitas aos laboratórios da Disciplina de Telemedicina e realização de provas de conceitos de trabalhos desenvolvidos em equipe. Os módulos a distância utilizarão a plataforma educacional para que os participantes tenham acesso aos conteudos, planos de trabalhos, acesso a fórum de discussão, e participação numa Rede Social de Aprendizagem e planejamento educacional.

 

 

1.13 (QUÍMICA) QUÍMICA ORGÂNICA: REFLEXÕES E PROPOSTAS PARA O SEU ENSINO

Ministrante: Profa. Maria Eunice Ribeiro Marcondes, Dra. Luciane Akahoshi (IQUSP)

O curso tem por objetivo:

1. Contribuir para melhoria do Ensino de química no Ensino Médio, proporcionando aos professores uma visão de Química mais contextualizda social e economicamente, tendo como referencial as proposições apresentadas nos PCNEM e no Currículo do Estado de São Paulo.

2. Tornar o ensino de química mais relevante através da interligação dos conteúdos ao contexto social.

3. Contribuir para a ampliação dos conhecimentos e ações do professor no que se refere ao ensino de Química Orgânica.

4. Contribuir para o aprimoramento pedagógico do professor, através de propostas de ensino coerentes com a perspectiva apresentadas nos PCN e no Currículo do Estado de São Paulo.

O curso apresentará um conjunto de atividades experimentais, algumas temáticas e outras isoladas, algumas planejadas com um enfoque investigativo e outras enfocando o conhecimento de fatos. Também, serão apresentadas atividades sobre representação de moléculas, utilizando recursos multimídia. Serão discutidos temas que permitem abordagens CTS de conteúdo de química orgânica.
 
·        Programa detalhado - Significado de ensino de química orgânica para o Ensino Médio, Atividades Experimentais Temáticas em química orgânica, Discussão dos conceitos envolvidos os experimentos e o ensino de química orgânica, Uso de recursos multimídia para a representação de moléculas, Planejamento de aulas contextualizadas de química orgânica, Apresentação da produção dos cursistas, Metodologia  e Discussão de textos sobre os temas, Realização de atividades experimentais, Elaboração de planos de ensino sobre química orgânica.