Plano de Metas do Instituto de Física

(Escrita a partir dos planos de metas dos Departamentos, da CG, CPG e CPG Interunidades; após as reuniões de 22 e 27 de janeiro de 2004 com os chefes dos departamentos e presidentes da CG e CPG)

28/01/2004

 

1-Missão da unidade, expectativas e solicitações da sociedade que ela deve atender.

A missão do Instituto de Física da USP é proporcionar ao Estado de São Paulo e ao País um centro de excelência em cultura, pesquisa e formação de profissionais em ciências físicas mediante: (i) desenvolvimento de pesquisas de fronteira em física básica, aplicada e multidisciplinar, (ii) formação de profissionais, de excelente qualidade, associada à pesquisa, em cursos de graduação e pós-graduação, (iii) promoção de ações para o aprimoramento do ensino da física nas escolas de nível médio, (iv) contribuição para soluções de problemas da sociedade envolvendo o domínio da física, e (v) divulgação da física e das atividades desenvolvidas no Instituto.

A missão descrita permanece essencialmente a mesma que a do antigo Departamento de Física, criado em 1934 com a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP e transformado no atual Instituto de Física em 1969.

2-Objetivos e metas de médio e longo prazos (5 e 10 anos), agrupados por atividade-afim.

Ensino

Aprimoramento da formação científica e cultural dos alunos de graduação e pós-graduação.
Diminuição da evasão dos cursos de graduação.
Flexibilização do currículo do bacharelado e consolidação da licenciatura.
Redução do tempo de titulação nos cursos de pós-graduação.
Manutenção da internacionalização do curso de pós-graduação em Física.
Consolidação da pós-graduação em Ensino de Ciência.
Aumento da integração entre os programas de graduação, pós-graduação e pós-doutoramento.

Pesquisa

Nas áreas de pesquisa estabelecidas, manutenção do alto nível de excelência acadêmica, em conformidade com o estado da física no cenário internacional.
Introdução de novas áreas de pesquisa de fronteira.
Ampliação das cooperações e intercâmbios nacionais e internacionais.
Aprimoramento do programa de pós-doutoramento.

Extensão

Desenvolvimento de ações associadas às atividades de ensino e pesquisa.
Consolidação das atividades de formação continuada dos professores de Física do ensino médio e de divulgação científica para alunos do ensino fundamental e médio.
Divulgação da Física para estudantes do ensino médio e para o público interessado.

3-Comente as ações propostas para alcançar estes objetivos e metas.

Recursos Humanos

Renovar o quadro docente e recompô-lo ao nível do início da década de 1990, mediante a contratação de novos docentes com sólida formação e excelente desempenho em pesquisa.

Manter o quadro de funcionários e proporcionar treinamento continuado aos mesmos; apoiar avaliações com possibilidade de ascenção na carreira e abertura de concursos públicos de promoção.

 

Ensino

Graduação

Atualizar e aprimorar o curso de bacharelado em Física, mediante as seguintes ações: introdução de novas disciplinas de interesse atual em Física; revisão e modernização dos conteúdos das disciplinas tradicionais e flexibilização da grade escolar. Em particular, será encaminhada a implementação dos cursos de bacharelado em Física dos Materiais, Ciência e Tecnologia Nuclear, Física Médica e Biofísica.

Readequar o currículo da licenciatura às novas diretrizes, do MEC, de formação de professores do ensino médio.

Aprimorar o acompanhamento do alunos durante os cursos, buscando melhorar o seu desempenho e diminuir a evasão. Ampliar os programas de iniciação científica e monitoria para os alunos de graduação.

Ampliar o intercâmbio de alunos com outros centros universitários do país e do exterior.

Modernizar e informatizar os laboratórios didáticos. Manter e atualizar projetos para contato dos alunos com os recursos modernos de informática. Implementar disciplinas que utilizem esses recursos.

Pós-Graduação

Na pós-graduação em Física, reformular, modernizar e aperfeiçoar o currículo adotado. Aumentar o número de disciplinas de Física Experimental. Aumentar o número de mini-cursos. Aperfeiçoar o acompanhamento dos projetos desenvolvidos pelos pós-graduandos.

Consolidar o programa de monitoria dos alunos da pós-graduação nas disciplinas dos cursos de graduação. Aprimorar a integração dos projetos de pesquisa de iniciação científica aos da pós-graduação.

Reduzir o tempo médio de titulação do mestrado e aumentar o número de bolsas, principalmente na pós-graduação em Ensino de Ciências.

Estimular a participação dos alunos da pós-graduação em Ensino de Ciência nos projetos, em curso no IF, vinculados à rede publica de ensino médio.

Propor um curso de doutoramento em Ensino de Ciências.

 

Pesquisa

Apoiar as ações específicas planejadas pelos Departamentos para atingir os seus objetivos e metas.

Desenvolver um programa de pós-doutoramento e de colocação profissional para os formandos na graduação e na pós-graduação.

Proporcionar aos docentes e técnicos especializados de nível superior a possibilidade de progresso nas respectivas carreiras.

Extensão

Ampliar as atividades de extensão associadas às pesquisas realizadas, especialmente sobre Física aplicada e ensino.

Promover uma atuação mais articulada e sistemática dos docentes nos vários projetos institucionais de extensão relativos à divulgação científica e de formação de professores de Física do ensino médio.

Aumentar as ações de divulgação de Física para alunos do ensino fundamental e médio e para o público em geral, pela produção de material didático, visitas guiadas ao IF e oferecimento de cursos especiais.

 

Infraestrutura

Aperfeiçoar a infraestrutura necessária ao funcionamento, manutenção e expansão da rede de computação, inclusive no que se refere às necessidades ligadas às atividades de ensino.

Adequar a infraestrutura operacional aos projetos de pesquisa propostos e às necessidades do ensino, pela modernização e manutenção das redes de comunicação, elétrica e hidráulica dos prédios.

Ampliar o espaço disponível para expansões ou redirecionamentos das atividades em desenvolvimento e início de novas atividades.

Construir um novo prédio para a biblioteca, manutenção das assinaturas de revistas especializadas, aquisição de novos livros e aperfeiçoamento do sistema computacional de consulta.

 

4-Articulação entre os Departamentos e as Comissões Acadêmicas da Unidade, visando alcançar os objetivos e metas propostas.

Desde a criação do IF, em 1969, por um acordo entre os Departamentos, as Comissões de Graduação e Pós-Graduação coordenam todas as atividades de ensino, inclusive a distribuição de carga didâtica. O curso de pós-graduação em Física e os cursos de graduação são comuns a todos os Departamentos. Com isso, os docentes não têm prioridade para ministrar as disciplinas do seu Departamento. Recentemente foi criada uma Diretoria de Ensino para cuidar da infraestrutura requerida pelo ensino de graduação e pós-graduação.

Há uma Comissão de Pós-Graduação Interunidades, em conjunto com a Faculdade de Educação e o Instituto de Química, que coordena o Curso de Mestrado em Ensino de Ciências (Modalidade Física e Química).

A Comissão de Pesquisa é responsável pelos programas de apoio à pesquisa de iniciativa da Pró-Reitoria de Pesquisa e pelas análises, pareceres e relatórios solicitados pela Congregação, CTA e diretoria.

A Comissão de Extensão e Cultura está em processo de instalação.

5-Evolução acadêmica da Unidade nos últimos 10 anos.

A evolução acadêmica do IF indica um claro aprimoramento qualitativo e aumento quantitativo no período.

Recursos Humanos

Diminuiu o número de docentes (179 em 1993 e 157 em 2002) e aumentou a idade média deles (47 anos em 1993 e 52 anos em 2002), agravando a necessidade de renovação do quadro docente.

O número de funcionários se manteve constante, mas as dificuldades em substituir os funcionários que saem, por ingressantes do mesmo nível, prejudica principalmente o funcionamento dos laboratórios de pesquisa e ensino.

Ensino

Graduação

O IF se mantem como o principal centro formador de bachareis e licenciados em Física no país, com quase 1200 alunos nos cursos de bacharelado e licenciatura (metade em cada um, aproximadamente) em cada curso. Em 1993 e 2002 se formaram, respectivamente, 53 e 67 bachareis. Com a reestruturação do curso de licenciatura, houve um aumento expressivo no número de licenciados: 17 em 1993 e 51 em 2002. Um grande número de alunos participa de programas de iniciação científica, de monitoria ou de atividades de apoio ao ensino médio ou à divulgação da Física.

Muitas das disciplinas ministradas na graduação foram atualizadas e novas disciplinas foram criadas.

Aumentou a conexão entre a pesquisa e os cursos de graduação, com a criação de várias habilitações e a flexibilização curricular do bacharelado.

Foram elaboradsa propostas para uma nova reforma curricular do bacharelado, a ser implementada em 2005, e para a criação de novos cursos de Física Aplicada, que será submetida à Congregação, para implementação em 2006.

Recentemente, foi criada a Habilitação em Astronomia, em colaboração com o Instituto de Astronomia e Geofísica.

O IF continua ministrando as disciplinas básicas de Física para alunos de outras nove Unidades da USP. As aulas ministradas nessas disciplinas correspondem à mais da metade das aulas dos docentes do IF, atendendo a cerca de 5000 alunos (com 20000 matrículas) por ano.

Pós-Graduação

O curso de pós-graduação em Física tem recebido as melhores avaliações da CAPES (conceito A, no antigo sistema de avaliação, e nota 7 no sistema atual).

Desde o seu início, em 1970, 940 alunos concluiram o mestrado e 560 o doutoramento. Muitos deles ocupam posições de destaque na pesquisa das principais instituições de ensino e pesquisa do país e têm também contribuido de modo significativo para o ensino e a divulgação da Física.

Continuou a expansão do curso de Fíisca, sendo mantida a sua qualidade e a notável diversidade de pesquisa e oferta de disciplinas. Atualmente cerca de 360 alunos estão matriculados (pouco mais da metade no curso de doutoramento. Nos últimos dez anos, aumentou o número de teses de doutoramento defendidas. Em 1993, 33 alunos concluiram o mestrado e 21 o doutoramento. Em 2002, essas conclusões aumentaram para 35 mestrados e 33 doutoramentos. Os tempos médios de titulação têm diminuindo; em 2002, esses tempos foram 33 e 58 meses, respectivamente, para o mestrado e doutoramento. A maioria dos alunos de pós-graduação recebe bolsa (cerca de 70 %) e atua no IF em tempo integral, com grande interação com os docentes e contribuição relevante à pesquisa realizada.

Pesquisa

A maioria dos docentes desenvolve trabalhos sobre pesquisa em física fundamental. Entretanto, no período, foram criadas novas linhas de pesquisa multidisciplinares e aplicadas e houve um grande desenvolvimento de instrumentação científica..

Houve um forte incremento das colaborações dos docentes com pesquisadores de outras instituições do Brasil e do exterior.

Recursos financeiros expressivos têm sido recebidos das agências externas, como FAPESP, CNPq, CAPES e FINEP. Entretanto, nota-se uma redução no número de bolsas e nos valores dos auxílios recebidos.

A produção dos docentes aumentou no período, ocorrendo a duplicação do número de artigos publicados em revistas indexadas (427 em 2002, ou seja, 2,7 artigos por docente).

Houve um significativo aumento no número de bolsistas de pós-doutoramento, que dinamizaram bastante as atividades de pesquisa e colaboraram também para a introdução de novas linhas de pesquisa. Atualmente, há cerca de 60 pós-doutorandos mantidos com recursos das agências de fomento à pesquisa, principalmente da FAPESP.

Muitos pesquisadores e docentes em importantes instituições brasileiras são ex-alunos ou colaboram com docentes do IF. Essa tem sido uma contribuição essencial do IF para o progresso da pesquisa em Física no país.

Extensão

Cursos de especialização têm sido ministrados para docentes (quase 200 em 2002) do ensino médio.

Tem havido um grande esforço para a divulgação da Física para estudantes do ensino fundamental e médio. Em 2002, aproximadamente 18000 alunos visitaram o IF e assistiram a programas de demonstrações (Show da Física e Show da Criança, respectivamente, para alunos do ensino médio e fundamental) especialmente preparado para eles.

Vários livros de pesquisa, ensino e divulgação têm sido publicados por docentes.

6-Mudanças do ambiente externo que têm exigido alteração dos padrões de atuacão da Unidade.

Houve redução de recursos externos para o apoio à pesquisa. Vários grupos receberam auxílios importantes da FAPESP, mas recursos provenientes do CNPq, CAPES e, principalmente, da FINEP, apesar de ainda expressivos, tornaram-se mais escassos. Houve também uma reducão significativa no número de bolsas de pós-graduação e mesmo das bolsas de iniciação científica recebidas do CNPq. Recentemente houve, também, redução dos recursos e bolsas recebidos da FAPESP. Essas dificuldades prejudicaram o crescimento do número de pós-graduados, a atuação dos pós-doutorandos e a produtividade dos docentes.

Uma maior demanda, da sociedade, por aplicações da ciência produziu um maior envolvimento do IF com áreas de pesquisa aplicada e multidisciplinar. A procura por físicos que atuem nessas áreas levou à elaboração das propostas de cursos de bacharelado em Física Aplicada.

Os programas e recursos financeiros para apoiar a formação continuada de professores do ensino médio, além do crescimento da demanda por licenciados, estimularam a colaboracão de docentes com o ensino de Física nesse nível.

A ampliação do ramo editorial de livros e a redução dos custos de edição estimularam o aumento do número de livros de Física escritos por docentes.

7- Dificuldades para a elevação dos padrões acadêmicos da Unidade e o que tem sido feito para superá-las.

Falta de reposição e renovação do corpo docente.

Recursos institucionais escassos para iniciativas importantes para o ensino, como a melhoria dos laboratórios didáticos e a ampliação da disponibilidade de equipamentos de informática e audio-visuais nos cursos. O IF tem conseguido alguns recursos extra-orçamentários.

Complexidade e lentidão, no âmbito da USP, para alterar as estruturas curriculares de graduação. Como consequência, os efeitos das atividades de pesquisa afetam as estruturas e conteúdos curriculares de forma lenta e ineficaz.

Número insuficiente de alunos de pós-graduação, principalmente nas áreas experimentais, face às instalações existentes e o número de orientadores disponíveis. Providências têm sido tomadas para estimular a vinda de estudantes de fora, aumentar o interesse dos estudantes formados no IF e melhorar as condições em que os estudantes realizam os seus trabalhos de pesquisa.

Escassez de oportunidades para as lideranças acadêmicas consolidarem grupos de pesquisa.

Dificuldades para a manutenção e melhoria da infraestrutura de ensino e pesquisa, que demandam técnicos de alto nível e financiamento extra-orçamentário constante.

Falta de espaço para o desenvolvimento das atividades programadas. Dificuldades para a manutenção e melhoramentos dos prédios existentes.

8-Como os Órgãos Centrais da USP podem contribuir para a superação destas dificuldades?

Concedendo novos claros para a renovação gradual do corpo docente, a reposição judiciosa do seu número e realização de concursos de professor titular.

Aumentando a autonomía dos departamentos e da unidade, em relacão aos orgãos centrais da USP, para a gestão de seus recursos humanos e financeiros.

Fornecendo recursos para a ampliação do espaço destinado ao ensino e à pesquisa e apoiando a melhoria da infraestrutura necessária.

Aperfeiçoando a carreira técnica e administrativa e apoiando o acesso dos funcionários a cursos de formação continuada.

 

9-Principais indicadores que devem ser utilizados para o acompanhamento das ações, dos objetivos e metas da unidade.

Ensino

Número e qualidade dos bachareis e licenciados. Número de estudantes matriculados nas disciplinas oferecidas às outras unidades da USP.

Número de alunos de iniciação científica.

Número e qualidade das dissertações de mestrado e teses de doutoramento.

Continuidade no oferecimento de disciplinas.

Qualidade e amplitude do programa de monitoria para estudantes de graduação e pós-graduação.

Inserção da pesquisa no ensino, pelo oferecimento de novos cursos e novas disciplinas.

Avaliação das disciplinas pelos estudantes.

Implantação de laboratórios didáticos.

Produção de livros e material didáticos.

Pesquisa

Número e qualidade das publicações em revistas científicas indexadas e livros.

Número e qualidade das contribuições apresentadas em conferências internacionais.

Recursos externos para projetos de pesquisa aprovados por agências de fomento.

Prêmios e honrarias recebidos pelos docentes. Participação no corpo editorial de revistas indexadas e editoras.

Número e atuação dos bolsistas de pós-doutoramento.

Criação, manutenção e desenvolvimento de laboratórios de pesquisa.

Intercâmbio com instituições de ensino e pesquisa.

Desempenho dos docentes nos concursos realizados.

Extensão

Alcance e reconhecimento das atividades de extensão, serviços para a sociedade e consultorias a empresas, vinculados ao ensino e à pesquisa.