Pesquisadores desenvolvem método que pode baratear a fabricação de sensores

Técnica desenvolvida no Instituto de Química de São Carlos utiliza adesivo para substituir reagente que pode custar até mil dólares por litro

Por: Eduardo Sotto Mayor, Jornal da USP. Acesse aqui a matéria original.


Pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP desenvolveram um novo método que poderá tornar a fabricação de eletrodos e sensores até 66% mais barata. Os especialistas propuseram a troca de um reagente importado (fotorresiste) utilizado no processo convencional de construção desses dispositivos, que pode custar até mil dólares por litro, por um adesivo cortado a laser que garante alta eficiência, mas por um custo muito menor. O processo inovador pode contribuir para ampliar a produção de eletrodos utilizados em diversas áreas que demandam análises químicas, como a farmacêutica, meio ambiente, agricultura e, principalmente, a de diagnósticos na saúde. Um artigo descrevendo o método foi publicado na revista científica Electrophoresis. Saiba mais...


Imagem: Victor Takekawa