Doutoranda do IFUSP recebe prêmio de Diversidade Internacional para participação em evento

Com o apoio da premiação, a pós-graduanda comparecerá aos eventos "Research at High Pressure GRC & GRS" 2022.


 
A doutoranda Aryella Faé Rabello, orientada pelo Prof. Julio Larrea (LQMEC / IFUSP), foi contemplada com o prêmio "Carl Storm International Diversity", outorgado pelo Gordon Research Conference (GRC). O GRC é uma prestigiada organização sem fins lucrativos responsável por eventos científicos, que busca fomentar a discussão entre estudantes de pós-graduação, pós-doutorandos e cientistas especialistas. Suas conferências são um fórum internacional para a apresentação e discussão de pesquisas de fronteira nas ciências biológicas, químicas, físicas e de engenharia e suas interfaces.
 
Com o prêmio, a pós-graduanda apresentará seu trabalho e assistirá ao seminário "Synergy Between Experiment and Computation Within Science at the Extremes" e à conferência "Exploring High Pressure Science at the Extremes Through Experiment and Computation", entre os dias 16 e 22 de julho deste ano, na Holderness School, em New Hampshire, EUA. 
 
Feliz com a premiação e a oportunidade, Aryella comenta: "Minha participação em dois eventos organizados pela GRC me permitirá aprofundar meu conhecimento sobre o uso das condições extremas [...] para resolver problemas complexos em aberto nas áreas da física, química, biologia e geofísica, além de discutir os avanços do meu trabalho de tese de doutorado com uma rede internacional dentro de um dinâmico ambiente científico. 
Me sinto muito motivada em ter a oportunidade de apresentar resultados preliminares do meu trabalho relacionado ao estudo do sistema eletrônico fortemente correlacionado FeGa3 sob condições extremas. Meu trabalho experimental vem sendo realizado no Laboratory for Quantum Matter Under Extreme Conditions (LQMEC) sob orientação do Prof. Julio Larrea e o principal foco consiste em estudar como os efeitos de desordem atômica deste material são modificados quando interações entre os elétrons se tornam mais fortes devido à aplicação da pressão. Indo contra a intuição comum, nossos resultados mostram que a matéria submetida a condições extremas conduz os elétrons a se comportarem coletivamente, tornando a desordem atômica irrelevante. 
Além do crescimento científico, é muito gratificante e importante a existência de projetos de ações afirmativas para participação de um público mais amplo e diverso nesse tipo de evento. Vale ressaltar que este prêmio era direcionado a alunos de doutorado e início de pós-doutorado residentes fora da América do Norte. Finalmente, gostaria de agradecer ao meu orientador, Prof. Larrea, pela supervisão e por me apresentar novas metodologias na elaboração de experimentos do estado da arte em condições extremas, dentro de uma perspectiva de inovação. Aproveito também para agradecer à Professora Valentina Martelli e aos membros do LQMEC pelo ambiente de colaboração e espírito de equipe. Por fim, quero agradecer à FAPESP pelo financiamento*".
 
 

Foto: Aryella Faé Ribeiro no LQMEC / IFUSP. Arquivo pessoal.

 

* Bolsa (2020/01377-4) e auxílio à pesquisa (2018/08845-3 e 2018/19420-3).