Liga metálica “esconde” material magnético com potencial para aprimorar dispositivos eletrônicos

Apesar de tamanho diminuto, nanoilhas de ferro e cobalto possuem forte magnetismo, que pode aumentar capacidade de armazenamento e transferência de dados.

Por: Jornal da USP. Acesse aqui a matéria original.


Pesquisadores avaliaram a resistência de ligas metálicas altamente concentradas a radiação, para uso na construção de reatores nucleares, e identificaram materiais com excepcionais propriedades magnéticas. Denominadas nanoilhas magnéticas, esses materiais contêm ferro e cobalto e, apesar de apresentarem escala nanométrica, ou seja, terem tamanho extremamente diminuto, possuem forte ferromagnetismo. As propriedades magnéticas das nanoilhas indicam uma potencial aplicação futura em dispositivos eletrônicos de armazenamento e transferência de dados, aumentando sua velocidade e desempenho. O estudo internacional foi realizado com participação da Escola Politécnica (Poli) da USP, e a descoberta é relatada em artigo publicado na revista Nanoscale, da Royal Society of Chemistry, no Reino Unido. Saiba mais...

 
Ilustração mostra liga altamente concentrada de cobalto, cromo, cobre, ferro e níquel e as nanoilhas magnéticas de ferro e cobalto que surgem após o material ser aquecido e submetido a radiação - Imagem: Reprodução