Estudo mostra novos aspectos da transição de fase metal-isolante

Transições de fases são fenômenos presentes no cotidiano. As mais conhecidas são as transições de fase da água entre os estados sólido, líquido e gasoso. Uma transição de fase que tem sido o foco de diversas investigações científicas é a chamada “transição de Mott”. O nome atribuído ao fenômeno homenageia o físico britânico Sir Nevill Francis Mott (1905-1996), prêmio Nobel de Física de 1977

Por: José Tadeu Arantes, Agência FAPESP. Acesse aqui a matéria original.


Esta transição ocorre quando um sistema metálico, ou seja, que possui elétrons itinerantes e por isso conduz a corrente elétrica, se torna isolante. Isso acontece devido à variação de parâmetros externos, como, por exemplo, a pressão ou a dopagem. “Quando o parâmetro de controle atinge um valor crítico, os elétrons se localizam e a fase isolante é então estabelecida. Em suma, uma transição metal-isolante de Mott genuína acontece quando a razão entre duas escalas de energia, a repulsão coulombiana entre os elétrons e a largura da banda eletrônica, atinge um valor crítico”, explica Mariano de Souza, professor do Departamento de Física da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Rio Claro. Souza foi o coordenador de um estudo, publicado no Journal of Applied Physics, que reporta novos aspectos sobre a transição de Mott. Saiba mais...


Imagem: Figura cedida pelo pesquisador Mariano de Souza