Simpósios

S1 - Física Aplicada a Questões Ambientais: Medidas e Modelagem da Composição da Atmosfera e do Balanço Radiativo Terrestre.
Resumo: Uma das questões científicas mais importantes da atualidade são as mudanças climáticas globais. A emissão de gases de efeito estufa para a atmosfera nos últimos anos tem feito com que a concentração de dióxido de carbono tenha atingido níveis 140% maiores que antes da revolução industrial. Vários outros gases de efeito estufa, tais como o metano, o óxido nitroso e ozônio também tiveram sua concentração aumentada com a queima de combustíveis fósseis e emissões de queimadas. Os impactos no clima, incluindo o aumento da temperatura, alteração no regime de chuvas e frequência de eventos climáticos extremos pode ser facilmente observado atualmente. Discutimos a física destes fenômenos e suas implicações ambientais.
 
S2 - A Descoberta do Bóson de Higgs: Presente e Futuro da Física de Partículas.
Resumo: A recente descoberta de um bóson consistente com o Higgs do Modelo Padrão, impõe uma reflexão sobre o presente e futuro da Física de Partículas. O bóson de Higgs é o último estado que falta para completar o espectro do Modelo Padrão. A teoria explica com bom sucesso todos os nossos dados até agora. Porém, existem muitas questões que o Modelo Padrão não é capaz de responder.  A física além do MP será explorada no LHC no futuro próximo. Após uma introdução à Física de Partículas, discutiremos esses pontos em detalhe.
 
S3 – Nanomagnetismo: Fundamentos, Novidades e Aplicações.
Profs. Antônio Domingues dos Santos, Daniel Reinaldo Cornejo e Luiz Carlos Camargo Miranda Nagamine
Resumo: Nanopartículas magnéticas tem sido estudadas nas últimas décadas devido as diversas aplicações entre as quais destacam-se a vetorização de medicamentos e a hipertermia. Nesta apresentação serão apresentados os fundamentos da Espectroscopia Mössbauer e o potencial desta técnica no estudo das  nanopartículas magnéticas, bem como alguns exemplos de trabalhos recentes nesta área realizados no  Laboratório de Materiais Magnéticos (LMM-IFUSP).
 
S4 - Fisica dos Cristais Líquidos
Resumo: O que são os fluidos complexos? Quais suas características básicas e diferenças em relação aos chamados fluidos convencionais? Perguntas como essas serão discutidas no Colóquio. Alguns dos fluidos complexos serão apresentados, em particular, as diferentes famílias de cristais líquidos, inclusive aquela formada por moléculas com a simetria de "banana". Conceitos como ordem posicional e ordem orientacional molecular estão na base da definição de alguns fluidos complexos. No caso dos colóides magnéticos (outro tipo de fluido complexo também conhecido como ferrofluido), serão apresentados os ferrofluidos iônicos e surfactados, em particular o fenômeno da termodifusão. Nesse fenômeno, a existência de um gradiente de temperatura no colóide magnético impõe um gradiente de concentração de partículas magnéticas. Há ferrofluidos tanto termofóbicos quanto termofílicos, onde as partículas Magnéticas tendem a se afastar ou se aproximar de regiões mais aquecidas da amostra, respectivamente. No caso dos fluidos de interesse biológico discutiremos algumas propriedades ópticas não-lineares de soluções de lipoproteínas (LDL) presentes no sangue.
 
S5 – Mais é Diferente: Supercondutividade e Outros Efeitos Quânticos de muitos Corpos em Física da Matéria Condensada.

Profs. Luiz Gregório Dias da Silva  e  Renato de Figueiredo Jardim

Resumo: Phil Anderson, premio Nobel de Física de 1977, escreveu em um influente artigo publicado na revista Nature em 1972 que "O comportamento de grandes e complexos agregados de partículas elementares não pode ser entendido em termos de uma simples extrapolação das propriedades de algumas poucas partículas." e que,por conta disso, "a cada nível de complexidade, propriedades completamente novas aparecem e o entendimento desses novos comportamentos requer pesquisa que considero de natureza tão fundamental quanto qualquer outra." Nesse simpósio, apresentaremos exemplos de sistemas Físicos em Matéria condensada em que esse conceito de que "mais é diferente" é indissociável das evidências experimentais. O primeiro exemplo é o fenômeno da supercondutividade, descoberto em 1905 e que até hoje nos revela supresas. Um outro exemplo é o efeito Kondo, originalmente observado em metais na década de 30 e "redescoberto" no final dos anos 90 em uma vasta gama de sistemas nanoscópicos.